Pesquisar

Satori Rei

CONSCIÊNCIA DE ENERGIA UNIVERSAL

Mês

Julho 2015

Os 9 Chakras

Os Chakras são os pontos fulcrais de entrada de energia, que “alimentam “o nosso corpo e as suas muitas funções, distribuído ao longo de um canal central, o Tubo Prana ou Canal Prana, conforme a sua função e dimensionalidade, a sua frequência correspondente.

 

Como o tronco das árvores, o Tubo Prana é a nossa ligação constante com a Terra, Gaia, a nossa raiz e ligação ao físico, e ao Cosmos, a nossa ligação com a espiritualidade. É a nossa multidimensionalidade. Como um enraizamento energético, que se estende em ambas as direções e se subdivide em imensos meridianos por todo o corpo físico e energético, este canal surge de um ponto central, a Singularidade, de onde toda a Criação, o Universo e o corpo humano se expandem, mantendo-se em constante ligação com a Fonte.

 

Toda a Criação, assim como a distribuição dos Chakras, respeita as leis universais básicas, nomeadamente a Lei dos Opostos (a energia Feminina e Masculina), a geometria sagrada e a ordem vibracional básica do universo, a regra dos três e a “assinatura divina”, o Código 9. Todo o universo expande-se em ciclos de três elementos base fundamentais, completando-se por fases, de três ciclos cada, em que 3 x 3 equivale a nove.

 

Os Chakras surgem então de um ponto central, a Singularidade do Coração. Como já sabemos, o Coração é muito mais do que um órgão vital ou um dos Chakras básicos. O Coração recebe energia diretamente da Fonte e não do exterior, como os Chakras normais. É do Coração que se estabelece o equilíbrio prânico do Ser, assim como os pontos de vitais de equilíbrio e de saída, os pontos energéticos dos cotovelos/antebraços e das mãos. O Coração não é um Chakra básico, é a origem de todos os Chakras, a Singularidade da nossa Criação, o micro cosmos em nós, a Fonte.

 

Seguindo a ordem de Criação (3-6-9), no primeiro ciclo (3), surgem então os primeiros três Chakras, e porque somos de base energética, os primeiros três são de expressão espiritual, de energia Feminina: o Chakra da Garganta (Laríngeo), o Chakra Frontal (3ª Visão) e o Chakra Coronário (Coroa). Respeitando a Lei dos Opostos, presente em toda a natureza universal, as suas expressões correspondentes, de energia Masculina surgem para manter o Equilíbrio universal, expandindo no mundo físico, e enraizando a materialização do Ser: o Chakra Umbilical (Plexus Solar), o Chakra Sacral e o Chakra Raiz Física. Contando com a Fonte Coração, estes são os conhecidos 7 “Chakras” básicos. Completa-se assim o segundo ciclo (6), o ciclo da Dualidade, Yin/Yang, os dois lados fundamentais do Todo. O Vesica Piscis da Flor da Vida.

 

O último ciclo (9) da primeira fase representa o Equilíbrio Universal que mantém o estado dual em perfeita harmonia, ao mesmo tempo que assegura e assenta ainda mais o Ser em ambas as direções, a Gaia, a energia curadora da Terra, a base física, e o Cosmos, a nossa constante evolução espiritual rumo ao Cosmos infinito. Assim, em direto equilíbrio com os pontos vitais dos Antebraços/Cotovelos, surge o Chakra da Raiz Energética. O seu correspondente obrigatoriamente é originado, o Chakra Portal do Eu Superior. Por último, nesta fase, surge o Chakra Portal de Gaia, em equilíbrio com os pontos vitais das Mãos, criando por fim o Equilíbrio Vital do Ser, a sua base de Criação.

 

Logicamente, a expansão do nosso sistema energético é constante e sempre proporcional ao seu correspondente, e desenvolvendo-se em ambas as direções. Mas isso é a próxima fase do Ser, o Ser Coletivo em União com o Universo. É essencial primeiro compreender a base da primeira fase, a nossa base, aprendermos a harmonizar e sentir o seu perfeito equilíbrio. Como aprendermos a andar, firmemente antes de podermos correr e saltar.

 

Eli de Lemos

Anúncios

O poder da Intenção na Cura através da Água

A Intenção ou o poder de intenção é uma das forças mais poderosas do universo, basta sabermos “trabalhar” com ela, de uma forma pura e harmónica, respeitando todo o equilíbrio universal, em atitude de colaboração, imperativamente. A intenção teve sempre um papel muito ativo na cura. Chamemos-lhe efeito placebo, extra motivação, ou como comum no Reiki, a intenção de ser um canal puro à energia universal.

 

Desmistificando o seu segredo, a verdadeira e pura Intenção só pode vir do coração, da energia criadora, do Amor puro, da mente do coração. Não usa a lógica e racionalidade, mas sim a fé, a esperança.

 

Após tudo o que vimos a aprender com as capacidades surpreendentes da água, como a sua memória e comunicação, podemos deduzir que para transmitir uma intenção de cura à água, basta pronunciarmos palavras e/ou pensamentos de amor e gratidão, com a frequência certa, de “coração aberto” e sentimentos puros.

 

A água merece todo o nosso respeito e gratidão, somos água na sua maioria, e está presente em todo o mundo, por todo o universo. Ao transmitirmos estas “intenções” em atitude de cooperação com a água e não como ordem, estaremos a purificar a sua energia, a vida que a água “carrega” em si, não só no exterior, como a água que bebemos, cozinhamos e nos lavamos, mas também a água no nosso interior, em todo o nosso corpo, cérebro, sangue, etc. Estaremos a purificar e revitalizar a nossa própria vida, energia e bem-estar!

 

Com o mesmo carinho e amor, devemos sempre respeitar toda a água na natureza, a chuva, o mar, os lagos, porque como a água comunica entre si, seremos sempre um reflexo da energia vital da água ao nosso redor. Se cada um de nós emitir regularmente estas frequências positivas, afetamos de forma consciente e ativamos o nosso meio ambiente, a nossa sociedade, o futuro dos nossos filhos. Trata-se por isso de um hábito benéfico e urgente para o bem de todos no universo. E como podemos constatar, não necessitamos de técnicas muito elaboradas, longas horas de meditação, apenas uma intenção pura, um momento, que pode mudar substancialmente o resto de nossas vidas!

 

Afirmação da Água Satori Rei

 

Eu sou Água Pura;

Eu sou Vida que Cura;

Eu sou Amor,

Obrigada!

 

Repita a afirmação 3 vezes, e agradeça! Pode repetir a afirmação quantas vezes desejar, sempre 3 vezes de cada vez, com as frequências de amor e gratidão. Recomendado, principalmente sempre depois de beber água, ou num banho de imersão, duche, por exemplo, sempre que estiver em contacto direto, físico ou visual com a água.

 

Sejam sempre conscientes e gratos acima de tudo. Nunca se esqueçam de amar, agradecer e honrar o que vos dá vida e condições para prosperar!

 

Eli de Lemos

O Coração Singularidade

Cada criação tem um ponto de partida, o nosso é o coração!

É o Coração e não a Mente, a verdadeira fonte da inteligência e do conhecimento. O nosso portal para a Fonte e o infinito. É através do coração que nós comunicamos principalmente, enviando as nossas vibrações eletromagnéticas, as nossas frequências emocionais.

O nosso órgão mais vital, é muito mais relevante do que lhe demos crédito no passado. Se todo o universo se baseia e se comunica em vibrações, então, o nosso coração é a nossa peça central, a “personagem principal” da nossa existência.

A sua pulsação relembra-nos, em cada batida, como preciosa é a vida, como feitos da energia primordial que somos. Pulsamos como a energia. Alimentamo-nos da sua capacidade de amar. Só amamos através da sua ligação direta ao Amor.

A inteligência do Coração é a manifestação física do puro ser, o viver em estado de Amor Primordial, a nossa sintropia diária, o retorno à fonte.

Imagine o que poderíamos alcançar se os nossos corações batessem em uníssono, a partir da frequência mais pura de amor? Como poderíamos mudar o mundo, reavivar o nosso mundo natural, gerar mais vida, e prosperar para todos os seres na Terra? É exatamente a este ponto que caminhamos, a cada ser que desperta para o Amor e a harmonia, para um sonho coletivo e o objetivo de fazer da Terra o paraíso, uma nova Terra.

O nosso coração é a chave, para a harmonia interior, para uma boa ligação com os outros, para a Unicidade, que só o nosso coração realmente entende o que significa.

Eli de Lemos

A ilusão da cura instantânea

O tempo, ou a falta dele, parece ser a regra nos dias de hoje. Queremos alívio, e queremos agora! E, mais uma vez, esquecemos a natureza das coisas, a simples complexidade do universo materializado. Tudo vem em camadas.

 

Como o universo é multidimensional, assim como o conhecimento, o nosso corpo humano não é apenas isso, um corpo físico. Temos camadas, um corpo etéreo o qual chamamos de aura, e no presente mais especificamente o Torus, um corpo emocional, mental, etc. dependendo da interpretação do leitor.

 

Quando se trata de cura, é como descascar uma cebola. Só podemos curar uma camada de cada vez, até conseguirmos chegar à causa raiz do desequilíbrio. Chama-se a este processo Cura Consciente, e que na minha opinião, é a maneira mais eficaz a longo prazo. A Consciência é imperativa. Se não estivermos conscientes do que nos está a causar dano, certamente continuaremos a fazer o mesmo, e o “problema” nunca poderá ser resolvido.

 

Outro detalhe importante que devemos reconhecer é que, como tudo é energia na sua base, também os nossos “problemas” começam a nível energético, na sua maioria causados por emoções de baixa vibração como o medo, a depressão, o stress, a raiva, a falta de aceitação e de perdão, etc. Estas vibrações enviam sinais electromagnéticos, que baixam o resto dos “nossos corpos”, até ao nosso corpo físico, causando sintomas físicos e “doenças”. Quando um paciente vem pedir ajuda, a principal causa já faz parte da sua vida desde há muitos anos, incorporada a todos os níveis. Logicamente, não pode ser resolvido e curado no instante.

 

De qualquer forma, é sempre uma questão de escolha, escolha essa que devemos fazer de uma forma consciente. Ou assumimos o compromisso e damos-lhe o tempo devido, para nosso próprio benefício, ou escolhemos as soluções rápidas e instantâneas, como os analgésicos convencionais, que apenas mascaram os sintomas por um determinado período, mas não resolvem a causa raiz, permitindo a sua reincidência.

 

Diz-se que todas as coisas boas da vida exigem tempo, paciência e “sacrifício”. Prefiro substituir a palavra “sacrifício” por compromisso. A nossa saúde e bem-estar só dependem de nós, das nossas escolhas, do nosso compromisso para connosco próprios.

 

Haverá o tempo em que a cura será instantânea, mas isso só será possível em altas frequências, num estado de Unidade, quando nos tornamos um só com o nosso corpo e as suas “camadas”, com os outros como uma Consciência Colectiva, e com o universo. Até então, a paciência é o nosso melhor aliado.

 

Eli de Lemos

Quem somos

Viemos à vida para aprender, para experienciar, para viver a Vida. Viemos para saber quem somos, quem somos verdadeiramente em essência universal e tudo o que podemos SER. Será que nos conhecemos verdadeiramente, a nossa essência de vida, todo o nosso potencial?

A começar pela base de tudo, nós “não podemos ser criados (produzidos) nem destruídos por si só. Só podemos ser transformados.” Somos energia pura e simples! A energia que criou o Big Bang, de qual somos parte. E, que quando se materializou em hidrogênio e carbono, para citar alguns, originou as estrelas, os planetas, e nós, os seres humanos e todas as formas de vida. Dai a expressão “somos feitos de pó das estrelas!”

Quantas vezes esquecemo-nos de onde viemos e como verdadeiramente surpreendente e poderosa é a nossa essência. A Criação não parou por aí. Todos os dias, como seres humanos, criamos algo novo, podemos ser tudo o que quisermos ser. Há realmente algum limite para a criação? Então por que razão nos limitamos com rótulos sem significado, limites sociais e normas culturais superficiais? A verdadeira liberdade começa com o reconhecimento, honrar o nosso potencial. Nós somos energia, nós somos eternos e infinitos, é quem somos!

Para experienciar estas múltiplas e infinitas possibilidades, e para compreendermos o verdadeiro significado da individualidade, temos de aprender como cada um de nós é único. Não existem duas mentes completamente iguais, cada um de nós adiciona algo completamente novo para o mundo, as nossas perspetivas. Esta é a razão pela qual todos e cada um de nós experimentamos o mundo de tantas formas, por meio de situações, de crenças, origens culturais e éticas. Encontrar o sentido da nossa existência individual é encontrar e seguir as nossas paixões, que é a nossa missão, a nossa contributiva autenticidade, quem somos e o que viemos para ser. Encontre sua paixão e irá encontrar a sua missão na vida… Ligue-se ao seu Eu Superior e à Consciência Universal; Relacione as suas paixões com as lições que recebeu da vida até agora; Ouça e confie na sua intuição; Deixe a vida fluir naturalmente!

Eli de Lemos

Águas Sagradas

E se pudéssemos falar com a água e receber todo o seu conhecimento que pode partilhar? Como seria incrível, e quanta informação poderíamos aprender, como iria mudar a nossa percepção das coisas, do mundo que nos rodeia e do próprio universo.

 

Embora, pareça fruto de uma imaginação fértil, tornou-se real. Sim, podemos comunicar com água, podemos receber e compartilhar a sua sabedoria. A água não é apenas um líquido. É a portadora de vida e da consciência universal. Como Masaru Emoto tão bem demonstrou, a água recebe e reflecte as vibrações, através do som, das palavras, dos pensamentos as emoções, a água também pode comunicar.

 

A sua origem vai muito mais além da Terra, desde pouco depois do Big Bang, como estão os cientistas agora a descobrir, e existe em todo o universo. A água está presente aonde quer que haja vida, e em todas as suas formas. É o que nos dá vida, e não poderíamos sobreviver sem ela. Se considerarmos como a água tem memória de toda a história, então, pelo menos, 70 por cento de nós é uma enciclopédia universal ambulante.

 

A comunicação universal mantém o universo conectado, em sintonia com todas as possíveis e infinitas manifestações e criações. É a ordem no “caos” da expansão constante. A água, e o espaço, são os comunicadores, os conectores, os principais agentes da unidade. Como 75 por cento integrante quer do coração quer do cérebro, nós somos parte desta instantânea, e sempre fluída sinfonia de comunicação universal. Contribuímos com as nossas experiências e emoções e recebemos-las de volta do universo. Esse processo soa-lhe familiar? Este tem sido desde há muito descrito como a Lei da Atracão, o Karma, e muitos outros termos e conceitos semelhantes.

 

Da mesma forma que a água reflecte as nossas intenções e frequências que enviamos (consciente ou inconscientemente), também nós, seres e o próprio mundo, reflectimos as frequências enviadas pela água. É uma faixa de dois sentidos, um diálogo vibracional. Vamos pensar profundamente sobre isso por um minuto ou dois, olhar à nossa volta e será que nos agrada o que vemos, e o que sentimos por dentro? A mudança é apenas uma atitude, uma mudança na frequência, na consciência, é tudo o que realmente é necessário!

 

Eli de Lemos

O poder das Emoções

O que são as emoções?

As emoções governam a nossa vida muito mais do que nos apercebemos. Elas são a base de toda a nossa vida, consciente e inconscientemente, das nossas acções e reacções, das relações connosco próprios e com os outros, do nosso Ego e da forma como vemos a vida e o mundo ao nosso redor. Elas controlam tudo!

 

Há pessoas que são altamente emocionais, que justificam todas as suas acções e dramas pela simples razão de serem “emocionais e sensíveis”; há pessoas que escondem as suas emoções devido a muitas razões sociais e preconceitos, como por exemplo, que “mostrar as emoções é um sinal de fraqueza”, e é claro,  existem os psicopatas que parecem não sentir qualquer emoção, porém o ódio, a raiva e a ganância são também emoções.

 

As emoções são energia, frequências, e cada emoção é uma frequência diferente. Existem as emoções de alta vibração, as neutras e as de baixa vibração. De onde vêm as emoções? Todas as emoções, sem excepção vêm do Amor, o primordial, o Amor Incondicional, que não é uma emoção, mas a mais poderosa Energia universal, a força de vida, o Criador, a própria gravidade! À medida que descemos na tabela emocional, do estado pleno de Amor incondicional, encontramos a paz, e a nossa paz interior naturalmente, a alegria, a compaixão, a paciência e assim por diante. Estas são as emoções de alta vibração. As emoções neutras experimentamos quando apenas sobrevivemos, dormentes e sem qualquer expectativa. E, por fim, as emoções de baixa frequência, em que basicamente tudo acaba no medo. O medo é o oposto directo do amor; o medo é o amor, no seu mais baixo estado vibracional. Todas as emoções de mais baixa vibração derivam do medo directamente, e indirectamente do amor.

emotions

Agora, as questões mais importantes são: quando é que o amor se transforma em medo, e porque não mencionei o amor indivíduo, o amor romântico?

 

A nossa principal e mais comum noção de amor romântico é, por si só, uma montanha-russa de vicissitudes. Começa sempre com muita paixão, entusiasmo, uma alegria desmedida e contagiante, êxtase, porém logo depois transforma-se em possessividade, ciúme, medo de perder ou de ser magoado, etc. Tenho a certeza de que todos nós sabemos muito bem, pela experiência. Este conceito de amor é, obviamente, baseado no medo, mas é algo de muito mais profundo. É sobretudo uma afirmação de como procuramos o amor como uma auto validação e auto-aperfeiçoamento, como nos valorizamos principalmente através dos olhos dos outros, de uma fonte externa, em vez do amor-próprio, da auto validação interior. Isso não significa que não existam relacionamentos amorosos saudáveis, mas sim que a principal diferença começa com o amor-próprio.

1911642_483055931821075_1773713356_n

Todos nós amamos algo, o céu, a lua, o mar, os pássaros a cantar, a brisa refrescante no verão, mas não pensamos em como o dia irá se transformar em noite, ou como os pássaros vão voar para longe. Não tentamos controlar e possuir esses prazeres, nós simplesmente desfrutamos, aproveitamos o momento! Esse sim é o verdadeiro significado de amor romântico e como devemos amar a nossa cara-metade!

 

Quando é que o amor se transforma em medo?

 

No momento em que deixamos as emoções controlar-nos, por meio da identificação pessoal. Nós, vulgarmente pensamos em nós próprios em termos de características emocionais e etiquetas. Apegamo-nos às nossas emoções, e reduzimo-nos às exigências da aceitação social, esquecendo a nossa verdadeira natureza infinita e universal.

 

É uma questão de ou controlamos as nossas emoções ou as nossas emoções controlam-nos! A diferença pode ser libertadora para dizer no mínimo. O medo e todos os seus estados emocionais tornam-nos vulneráveis, fracos e susceptíveis a doenças. Rouba-nos literalmente a vida! Por outro lado, prosperidade dá-nos vida, o amor atrai mais amor, mais alegria, mais razões para viver, e restabelece a saúde física e mental. Trata-se de uma opção, apenas mais uma escolha diária neste universo de livre-arbítrio. O que prefere para si?

 

Eli de Lemos

Deixar ir para encontrar novamente – O significado de Desapego

“Deixar ir” para que possamos encontrar novamente pode parecer um paradoxo, mas, de fato, é muito real!

Ao longo da vida, construímos sonhos e esperanças, metas, que incentivam as nossas ações e dão significado às nossas vidas. Esses sonhos e esperanças originam no pensamento e domínio emocional, e é esta a forma como criamos a nossa realidade e co-criamos o mundo.

Segundo a Lei da Atração, assim que estabelecemos as nossas regras, a próxima fase é a sua manifestação no mundo físico. É neste ponto que “as coisas” começam a ficar um pouco confusas! Porque manifestamos mais facilmente as situações de que temos medo, do que as quais mais ansiamos pela positiva? A resposta reside no desapego. As coisas que mais tememos ficam normalmente registadas no nosso subconsciente. Embora, esteja sempre presente no pensamento compulsivo, sob a forma de preocupação, na realidade, não as relembramos conscientemente, como um mecanismo natural de defesa. “Evitar pensar sobre a possibilidade, não vá o pensamento atrair as situações!” Quando se trata de resultados positivos, temos a tendência de fazer exatamente o oposto! Agarramo-nos aos pensamentos positivos o mais que podemos, com toda a nossa força interior, para nos garantir a constante motivação. Como um lembrete, ou “a cenoura na frente dos olhos”! Ao fazê-lo, mantemos a intenção retido na realidade do pensamento e no plano emocional, e não a libertamos para a sua manifestação. É preciso deixar ir!

É claro que não é simples assim. Como mencionado acima, o nosso subconsciente tem sempre a “última palavra” na manifestação. “Deixar ir” aplica-se a tudo, às nossas esperanças, os nossos objetivos, assim como também aos nossos medos e angústias. E como fazemos isso? Através da confiança e aceitação. Confiar no universo ou Deus, e aceitar o que virá, porque só assim podemos começar a perceber que, tudo o que temos é exatamente o que precisamos para alcançar aquilo que sempre quisemos.

Só deixando ir, damos o “espaço” e “tempo” necessários para a manifestação. Que é exatamente o momento em que vamos encontrá-lo novamente! Deixar ir não significa desistir! Significa apenas dar-lhe liberdade de ação, liberdade de SER e existir!

Eli de Lemos

O SISTEMA DIMENSIONAL

No mesmo espaço e tempo, estão todas as dimensões. O “Espaçotempo” é multidimensional na sua natureza. Tudo aqui e agora.

O segredo não está em como viajar entre o “espaçotempo”, mas sim como aceder a cada uma das dimensões. Há seres dimensionais em existência por escolha própria, mas todos os seres são multidimensionais por essência, e por isso podem “viajar” para frente e para trás na velocidade do pensamento ou da intenção. Creio que nós, como raça humana também somos multidimensionais e esta capacidade está incorporada em uma ou mais das nossas camadas corporais. Este é outro dos nossos pequenos segredos que estava escondido até mesmo de nós próprios.

Como resultado de uma evolução universal dimensional, como hoje tão vivamente experienciamos, a partir da 3D para 4D e estabilizando em 5D, em questão de aceleração de tempo, podemos agora ter acesso a um nível muito mais profundo de compreensão da nossa verdadeira natureza e recursos. Agora temos o conhecimento de frequências, os seus efeitos tanto a nível individual como em entidade coletiva, e como aceder a cada frequência desejada. Como podemos experimentar através da meditação, projeção astral ou viagens astrais, por exemplo, podemos alcançar diferentes estados vibracionais, na sua maioria estados interiores do ser. Cada um desses estados é também diferentes frequências, e cada frequência, uma dimensão. Há medida que elevamos a nossa consciência a frequências mais elevadas, estamos na realidade acedendo a diferentes dimensões. Buda tentou ensinar-nos essa verdade, e este foi um dos seus mais valiosos conhecimentos que tentou partilhar com toda a humanidade. Mas este tipo de conhecimento só pode ser experimentado primeiro individualmente e num nível mais avançado, coletivamente, quando todos estivermos prontos. Também Jesus, é um conhecido exemplo desta visão.

Claro, que não é tão simples como a manipulação de frequências, e não se pode simplesmente construir uma tecnologia para tal. Primeiro, é preciso compreender a verdadeira natureza da energia, que tanto Jesus e Buddha repetiam incessantemente: Que só o amor é real, que o amor é o verdadeiro poder da criação e transformação interior. Não apenas o amor, mas o verdadeiro amor, o amor incondicional e universal, o verdadeiro poder e sua variedade de emoções derivantes.

O Amor é a chave de acesso dimensional!

Eli de Lemos

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: