Não há mais certezas. Hoje vivemos num momento em que tudo é questionado e reformulado. De certa forma, representa um dos maiores pontos de viragem na consciência humana, temos, finalmente, a coragem e a inteligência para corrigir e completar os nossos conhecimentos, e avançar para territórios desconhecidos. Por outro lado, não há certezas, não há verdades definitivas para nos agarrarmos.

 

Quando analisamos os fatos e ligamos todas as novas descobertas, podemos concluir que quase tudo o que pensamos e sentimos como real é apenas uma ilusão. O Espaço é um holograma, uma projeção a 3D de um plano a 2D. O Tempo não existe, e pode ser apenas uma medida de espaço holográfico que “nós” criamos. A nossa terra pode ser plana em vez de redonda, como se acredita há séculos. A nossa origem como espécie humana pode ter sido geneticamente modificada e criada por uma civilização extraterrestre mais avançada. O que é real? Onde está a verdade?

 

“Tudo o que aprendeu na escola como “óbvio” torna-se menos e menos óbvio, à medida que começamos a estudar o universo. Por exemplo, não existem sólidos no universo. Nem sequer uma sugestão de um sólido. Não há continuidades absolutas. Não há superfícies. Não há linhas retas.” – Buckminster Fuller

 

A única coisa que sabemos com certeza é que nós existimos, estamos “aqui”, onde quer que seja e o que quer que isso signifique. Podemos sentir a Vida dentro das nossas veias, mesmo que nada seja sólido e o nosso corpo seja apenas uma questão de manifestação frequencional. Somos energia. Essa é a única verdade! Além disso, sabemos da inteligência do Coração, da Fonte, que esta energia é Amor. Somos Amor, manifestamos amor, e criamos mais amor enquanto vivemos.

 

“A imaginação é mais importante do que o conhecimento. Pois o conhecimento é limitado a tudo o que agora conhecemos e compreendemos, enquanto a imaginação abraça o mundo inteiro e tudo o que haverá para conhecer e compreender.” – Albert Einstein

 

Se nada é certo, então, certamente, Einstein estava correto, em que a realidade é só a imaginação, e que é apenas o que é real e a origem da criação de tudo o que percebemos como realidade. A imaginação é, de facto, muito mais importante e relevante do que o conhecimento. Tudo pode ser criado, tudo pode acontecer, não há limites, apenas uma infinidade de probabilidades.

 

Colocando as coisas sob uma perspetiva humana, gastamos as nossas vidas, e tempo que não existe, a preocuparmo-nos com pequenos detalhes e com realidades que não são verdadeiras. A Energia não pode ser desperdiçada, mas será que estamos realmente a viver de acordo com os nossos dons universais? Ou será que estamos a circular em irrelevantes ilusões, perseguindo a nossa própria cauda? A questão principal da nossa existência e onde o nosso foco deve ser é, por que existimos? Por que razão estamos “aqui”? Tudo o mais é insignificante.

 

Eli de Lemos

Anúncios