É um “control freak”? Então este artigo é para você. Na realidade todos nós somos, todos pensamos que podemos controlar a realidade de nossas vidas, o nosso futuro, e alguns até mesmo o mundo. Como em tudo, há um pouco de verdade por trás desta ilusão.

 

A vida não acontece apenas, ela progride! Criamos as suas bases e dai flui naturalmente a seu próprio ritmo. As nossas vidas não são só nossas. A vida acontece a todos os níveis, ao mesmo “tempo”, é multidimensional, como tudo o resto. As nossas vidas também pertencem à nossa alma e Eu Superior, à Consciência Colectiva e universalmente à Fonte. Quão pouco sabemos ou nos lembramos das dimensões superiores. Como podemos controlar, do mais baixo nível de percepção aquilo que ainda não conseguimos sentir e compreender na sua totalidade?

 

Só podemos “controlar” o que podemos compreender e nada mais. Tudo o resto cai fora do nosso alcance, como a vontade dos outros, os acordos da nossa alma e o verdadeiro propósito de todas as manifestações. Não podemos realmente controlar os outros ou ser controlados a menos que o autorizemos, conscientemente ou não! Não podemos perder o nosso controlo, apenas dá-lo.

 

Muito semelhante ao eterno enigma do ovo e da galinha, será a energia que nos “controla” ou nós que “controlamos” a energia? A resposta reside sempre dentro da fonte. E a fonte sempre expande a partir de uma singularidade. A nossa fonte é a energia. Energia é o que somos por essência e o que nos permite existir, explorar e criar.

 

O que podemos realmente controlar? Individualmente, é ainda extremamente difícil de controlar o nosso próprio subconsciente, emoções e pensamentos. Podemos controlar o que fazemos, como reagimos e agimos conscientemente, e todo o resto são feedbacks e orientações. Os pensamentos e emoções não são nossa propriedade ou identidade, apenas reflexos da nossa frequência interna e os nossos aliados na missão. Basicamente, podemos e devemos controlar a nossa frequência interna e como cocriamos a realidade e o mundo de todos. Somos criadores, sim, e responsáveis por qualquer frequência que atraímos e projetamos. Somos responsáveis por como afetamos o mundo e como o mundo nos afeta.

 

Mais preocupante do que a ilusão de controlar tudo e todos à nossa volta, é a facilidade com que tendemos a dá-lo aos outros, o controlo sobre a nossa própria vida. Quando se trata de relações e intercâmbios de energia, sentimos como se confiar no outro é sinónimo de entregar-lhes o nosso controlo. Damos tudo por “amor”, permitimos que os outros nos definam, e eventualmente pagamos o preço. Perdemo-nos, a única coisa que podemos controlar. Confiar no Universo ou em alguém não é abdicar do nosso caminho e missão. Confiar significa deixar ir aquilo que não podemos controlar e desfrutar o fluxo de vida e as lições aprendidas.

 

A necessidade de controlo é a nossa maior ilusão. Embora possamos nos sentir como o rei (ou rainha) do mundo no momento, apenas reflete os nossos medos e inseguranças. Somente tentamos controlar aquilo que não compreendemos e mais tememos. Nisto, separamo-nos do resto do mundo e dos outros, individualizamos e isolamo-nos, desconectando da Fonte. A verdadeira essência do universo reside num equilíbrio universal, uma eterna cooperação entre todas as coisas, os seus propósitos de existência e funcionalidades, e como cada peça complementa o conjunto. Somos Todos UM só.

 

O Universo não controla nem permite que seja controlado, ele coopera entre iguais!

 

Eli de Lemos

Anúncios